Por Rafael Paes

Em tempos de “fique em casa”, “não aglomere”, “distanciamento social”, “tem uma pandemia lá fora”, o negócio é mesmo ficar em casa. Ô vida… Mas, como eu te disse na semana passada, esses dias de isolamento estão chegando ao fim, ainda bem! Agora, enquanto não chegam, o que fazer pra se divertir, pra passar o tempo, pra não pirar dentro de casa?

É difícil, eu sei, nem precisa me dizer. Depois de mais de um ano de pandemia, ter criatividade e pensar em algo novo pra passar o tempo, no lar, não é fácil! E como pode ser que não venha uma idéia nova, um hobby diferente talvez – ainda mais quando se tem criança em casa – minha proposta hoje é fazer de novo.

Vale ver uma série na TV, ler um livro, escovar o cachorro, até passar uma vassoura no chão, por quê não? Mas, não! Nenhuma destas é a minha ideia pra hoje. Quem me conhece sabe que sou tanto da cozinha, quanto o calor é do frio. Vivo em lados opostos das panelas. Uma frase que sempre digo é: “não confio minha comida a terceiros”. E é verdade. Raros são os momentos em que tenho convidados para saborear a minha gororoba.

Porém, como “raro” não quer dizer “nunca”, por vezes me aventuro na culinária. Dias atrás me determinei a fazer um bolo de chocolate pra causar inveja “nazamiga”. E lá fui. Peguei uma massa pronta dessas de mercado – claro, porque quem sou eu pra fazer uma massa caseira?!

Segui o passo a passo, com um medo tremendo de errar e ter que jogar tudo fora (principalmente porque só tinha uma caixa de massa pronta e não poderia repetir). Me senti a Beca Milano (@becamilano), sabe quem é? Do “Bake Off Brasil”? Pois então…

Fiz a massa, bati como se não houve o amanhã, na mão, porque como bom cozinheiro que não sou, não tenho batedeira em casa. Untei a forma e coloquei pra assar. A cada dois minutos acendia a luz do forno pra espiar a obra, coisa de principiante. E, pra minha surpresa, não é que estava ficando bonita? Crescendo? A felicidade ia tomando conta…

Mas como eu estava com a Beca incorporada, queria ir além. Depois de assado, inventei de cortar o bolo ao meio pra fazer um recheio. Aí a alma que estava colorida de felicidade pelo bolo ter assado e crescido, ficou cinza com a pergunta: como rechear? Foi então que lembrei de uma receita de ganache que meu amigo de trabalho, Kevin Capobianco (@kevincapobianco), me ensinou e, que, a princípio, parecia ser fácil.

A receita é derreter duas barras de chocolate no microondas com uma lata de creme de leite, basicamente. Rafael Beca Milano foi lá tentar. Mas, como eu já imaginava, o “trem” não era tão simples assim. O creme não derretia, ficou em pelotas. Liguei para o Kevin que me orientou, mais uma vez, até que o tal ganache saiu. E ficou bom.

Mas como a Beca não queria me largar naquele dia, veio a idéia de incrementar este bolo ainda mais. Expectativa X realidade, né?rs A idéia era fazer algo tipo naked cake, com frutas aparecendo por cima, junto da massa, sem cobertura. Claro que não ficou assim (abaixo vocês conferem!). A “mente Beca Milano” persistia e prosseguiu.

Fui abrir a geladeira, então, para ver o que havia de frutas vermelhas como morangos, framboesas, amoras. E adivinha? Não tinha nada disso! Havia somente uva verde. Que decepção. Então, lembrei que no armário dos doces tinha um pacote de bala de goma, e que algumas das balas eram vermelhas. Me atraquei! Só pra foto ficar bonita.

Descobertos os super ingredientes de enfeite do meu naked cake fake, tratei de rechear a massa com o ganache e as uvas cortadas ao meio. Depois derrubei o resto do molho de chocolate sob a parte de cima do meu bolo e decorei com as uvas e balas. Olha como ficou!

O sabor não ficou lá aquelas coisas. As balas deram um tom “duro” à maciez do bolo. Ele ficou meio seco, as uvas, puras do jeito que coloquei no recheio, também não combinaram tanto. Ainda acho que deveria ter cozido. O visual, então, ficou bem aquém do que eu esperava.

Mas, quer saber? Deu pra passar o tempo, já que fiquei algumas horas ali, entretido com meu bolo comível. E rolou a foto! Olha que legal.

Sabe, não importa o que você faça ou como faça. Só faça. Aproveite seu tempo livre, se divirta, nem que seja sozinho. O bolo, depois de pronto, levei para os colegas de trabalho experimentar, e até que gostaram. Faça o mesmo, se arrisque, invente o lazer!

Domingo que vem eu voltou com mais uma experiência na cozinha, ou quem sabe com um passeio com a Miah – minha dog – ou ainda pra te indicar um lugar legal por onde passei aqui no nosso litoral. Eu te espero! E se quiser me conhecer um pouco mais, me segue lá no Instagram: @rafapaesj

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.