Dúvida sobre paradeiro de documentos vira entrave em inquérito sobre Aécio Neves

O paradeiro de arquivos de mídia anexados a uma delação premiada virou o principal entrave para o depoimento do deputado e ex-governador Aécio Neves (PSDB-MG) em inquérito que apura suspeitas de superfaturamento na construção da Cidade Administrativa, sede do governo mineiro. JOSÉ MARQUES/SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) Embora haja um documento segundo o qual esses arquivos […]
Brasília – Senador Aécio Neves (PSDB-MG) fala à imprensa após o STF aceitar denúncia da PGR contra si, pelos crimes de corrupção e obstrução de Justiça

O paradeiro de arquivos de mídia anexados a uma delação premiada virou o principal entrave para o depoimento do deputado e ex-governador Aécio Neves (PSDB-MG) em inquérito que apura suspeitas de superfaturamento na construção da Cidade Administrativa, sede do governo mineiro.

JOSÉ MARQUES/SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Embora haja um documento segundo o qual esses arquivos foram juntados ao processo, a Polícia Federal, o Ministério Público de Minas Gerais e a Justiça do estado afirmam que eles não constam no inquérito. As mídias em questão são referentes à delação de Marcelo Dias, da Santa Bárbara Engenharia, empreiteira que participou da obra.

A ausência dessas mídias na vara de inquéritos de Belo Horizonte, onde tramita a apuração, foi um dos motivos para a defesa do tucano, liderada pelo advogado Alberto Zacharias Toron, acionar o STF (Supremo Tribunal Federal) para ter acesso a toda a documentação referente às investigações. Toron também diz que estão faltando documentos relativos à delação de José Ricardo Breghirolli, apontado como chefe do departamento de propina da OAS.

Em maio, Aécio foi indiciado pela Polícia Federal sob suspeita de corrupção passiva e ativa, desvio de recursos públicos e falsidade ideológica. O Ministério Público, no entanto, ainda não apresentou uma eventual denúncia sobre o caso. A própria defesa, então, pediu para que Aécio fosse ouvido no inquérito. Ao mesmo tempo, tentou ter acesso à íntegra das delações que citavam o tucano.

Só que os advogados não conseguiram localizar os documentos citados nas colaborações de Santa Bárbara e OAS e pediram ao Supremo a suspensão do depoimento, que aconteceria em 12 de agosto. Dois dias antes, o ministro Alexandre de Moraes acolheu o pedido e também determinou que a defesa tivesse acesso integral “às declarações prestadas pelos colaboradores que incriminam [Aécio]”.A decisão motivou queixas de PF, MP-MG e Justiça, sob o argumento de que os advogados já tiveram acesso aos autos e estariam tentando atrasar o processo.

“Primeiramente foi marcada a oitiva entre os dias 15 e 19 de junho de 2020. Entretanto, em contato direto com esta autoridade policial, foram pedidos sucessivos adiamentos para 28.jul, 6.ago e 12.ago”, afirmou, em ofício, o delegado da PF Leopoldo Lacerda.

Segundo o delegado, os documentos que os advogados afirmam não ter acesso “não existem nos citados autos”. A juíza que conduz o inquérito, Sabrina Ladeira, reforçou. “Os advogados tiveram acesso amplo a todo conteúdo”, afirmou a magistrada. “Eventual não acesso (…) a mídia e documentos específicos decorre, na realidade, dada inexistência deles nos autos das colaborações indicadas e na Secretaria do Juízo.”

O procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, Antônio Sérgio Tonet, pediu a Alexandre de Moraes que arquive o pedido dos advogados. “Foi assegurada à defesa técnica vista de todo o material juntado aos autos da investigação preliminar”, disse Tonet, em manifestação a Moraes.

“Ocorre, portanto, uso de expediente com o propósito de atrasar o encerramento da apuração, ao passo que o reclamante insiste na obtenção de documentos que não estão em poder da autoridade policial ou sequer existem.”

A defesa rebateu e afirmou que há uma certidão nos autos de prova que as mídias foram anexadas ao processo. “Há, insista-se, certidão de juntada da documentação!!”, escreveu a defesa ao ministro. “Dizer que os documentos não existem e que o pleito da defesa é procrastinatório é negar a realidade e questionar a veracidade de certidão que detém fé pública. Ou seria falsa a certidão?”, acrescentou, pedindo que seja informado o paradeiro dos documentos.

À reportagem Toron diz que “ou a certidão é falsa ou eles, na cara dura, estão escondendo as mídias e criando um clima de animosidade com a defesa”. “Fomos nós que pedimos para sermos ouvidos nesse processo”, diz o advogado.

Procurada, a juíza Sabrina Ladeira afirma que a defesa tem citado como certidão um documento com o timbre do STF “apontado para uma mídia, que se existe, não foi recebida em Belo Horizonte”.

“Esta etiqueta não é uma certidão e não contém a assinatura de ninguém. Essa possível mídia, novamente, se existe, pode ter dado origem às transcrições já presentes no inquérito, mas não foram enviadas juntamente com todo material recebido”, afirma a magistrada.

O documento apresentado por Toron ao STF, no entanto, é uma certidão e está assinada por um funcionário. Um especialista consultado pela reportagem, o criminalista e professor da PUC-SP Paulo Cunha Bueno, afirma que caso as mídias não sejam encontradas, uma saída é pedir que o delator reapresente esses arquivos à Justiça.

“Não adianta creditar a defesa pelo o que está acontecendo. Se certificaram errado ou se perderam a mídia, não é a defesa que está procrastinando nada”, afirma Bueno.

Aécio não precisa depor para que o Ministério Público apresente denúncia ou peça arquivamento do caso. No entanto, na visão de Bueno, a acusação fica enfraquecida.Procurado, o Ministério Público de Minas Gerais não se manifestou. A Santa Bárbara Engenharia e Marcelo Dias não foram localizados. Aécio e 11 representantes de empreiteiras foram indiciados por supostos desvios e irregularidades na Cidade Administrativa. As práticas apontadas pela PF podem chegar a uma pena de 41 anos. Os nomes dos outros indiciados não foram divulgados.

A investigação começou em 2017 com base em relatos de ex-executivos da Odebrecht em delação premiada e apurou o processo de licitação, contratação e execução das obras do complexo, ocorridos entre 2007 e 2010, na gestão Aécio. Segundo a PF, cláusulas restritivas no edital da obra mostram que o processo foi dirigido para que um determinado grupo de empreiteiras fosse escolhido. A fraude na licitação e os desvios, afirma o órgão, totalizaram R$ 232 milhões em valores da época (R$ 747 milhões atualizados).

A defesa de Aécio tem dito que a acusação é absurda. “A obra foi acompanhada por auditoria independente e seu edital apresentado ao TCE (Tribunal de Contas do Estado) e ao Ministério Público que não apontaram qualquer irregularidade. Sequer os aditivos de preço autorizados por lei foram praticados à época”, disse em nota, à época.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Nossos Programas